segunda-feira, 10 de abril de 2017

O Fotografei que você não vê | Making Off

Já faz um certo tempo que eu tive essa ideia, porém ainda não tinha conseguido retirá-la do papel. Muitos de vocês já acompanham a página do blog lá no Facebook e sabem que eu sempre compartilho o Making Off de como algumas fotos aqui do blog e do instagram são feitas. Então, pensando nisso resolvi mostrar a parte técnica do blog, aquela que geralmente vocês não enxergam.
Você irá descobrir como o fotografei é feito , lugares, métodos, gambiarras e tudo mais. Admito que me enrolei um pouco com o post, pois não sabia exatamente o que contar, como mostrar e se vocês iriam gostar, mas depois de uma pequena votação lá no Facebook, descobri que a ideia é realmente boa. 
Para ficar mais fácil separei em tópicos, assim consigo explicar de forma mais detalhada cada item.
Vamos aos segredos!
1. Onde e como as fotos são feitas?
As fotos de resenhas, capa de textos, livros e publicidade são feitas na minha casa, pois eu ainda não tenho um estúdio, na maioria das vezes são feitas no móvel branco debaixo da janela do meu quarto ou na parede da cozinha, que são os lugares que tem a melhor iluminação da casa. 
Uma coisa que me ajuda muito é ter horários para fotografar, acreditem isso ajuda muito. Gosto de fotografar entre 13:30 e 15:00  durante a semana e 7:30 as 9:00 nos sábados, que são os horários com a melhor luz natural, minha favorita da vida.
Foto feita em cima do criado mudo, em comemoração as 50.000 views do blog 
2. Equipamento usado nas fotos.
Eu fotografo com uma Canon T5, usando a lente do kit 18-55 mm e as vezes a 50 mm 1.8. Um tripé de 1,5 m do site Tudo Para Foto, um moto G2 e algumas lente para celular dependendo da ocasião. A dição das fotos e feita parcialmente no VSCO CAM e no Lightroom, apenas coisas simples como ajustes de luz e sombra, saturação e tom de pele, deixando as fotos mais clean ou mais dark para combinar com o blog/feed.
3. Montando cenários e o processo de composição das fotos.
Essa é definitivamente minha parte preferida do blog . Ao contrário do que muitos imaginam, não eu não tenho um móvel de cada cor em casa -queria, mas não tenho- então, a maioria dos cenários são feitos e elaborados de formas improvisadas, porém criativas e planejadas. 
Gosto muito de um fundo branco, então uso meu criado mudo, mas quando preciso de algo mais colorido, opto por papeis como color set, sulfite ou papel cartão. Inclusive, além de ter vários em casa, tenho o hábito de sempre que vejo algum diferente na papelaria eu já compro, pois sei que em alguma hora ele será útil haha. Mas mesmo com tudo isso, também não abro mão da beleza natural das flores e árvores.
A composição das fotos é feita baseado em várias questões, incluindo estilo do post, tema e ideia. Na maioria das vezes é feita por padrão de cor ou semelhança entre os objetos que estão sendo fotografados. Eu gosto muito da ideia de se criar paletas de cores para foto, pois além de lindo e um trabalho super divertido de se fazer.
Além disso, tenho vários props -objetos portáteis usados em composição da fotografia-  em casa para ajudar, mas quando eu decido usar algo que eu não tenho, corro atrás um dia antes das fotos, para agilizar o processo e conseguir me organizar melhor.
Nessa foto foram usados alguns props, como a moldura, enfeites de natal e um moletom vermelho, sim, na maioria das vezes os tecidos/panos bonitinhos que vocês veem nas fotos, são peças de roupas minhas.
4. Preparo das postagens e ideias.
Já mencionei sobre meu cronograma de ideias aqui no blog algumas vezes, mas vou retornar a esse ponto outra vez, pois a ideia é realmente boa. Antes de ter a ideia para um post e começar a prepara-lo, gosto muito de navegar pela internet -Pinterest/We Heart It- para poder ter contato com algumas inspirações. Logo em seguida eu anoto tudo que me vier a mente e que for útil em um papel, para então começar a desenvolve-las. Todo esse processo gasta em média de 2 a 4 horas.
Em seguida o post é feito e depois revisado. Para então dar início ao processo de estética e design do post, onde ele é formatado  para ser agradável aos olhos de quem lê e organizado de forma esteticamente bonito para ser publicado e divulgado.
5. A equipe fotografei 
Na maior parte do tempo eu trabalho sozinho, mas sempre recebo ajudo de alguns amigos muito queridos. O Igor Abreu me ajuda na parte de edição das fotos e capas, incluindo banners e logos. A Maria Vitória, vulgo Mavi, me ajuda com a parte de fotografia, emprestando objetos e me ajudando a fotografar. A Renata Borges me ajudou várias vezes com correção de texto, algo que é muito importante. 
E claro, por último mas não menos importante, minha mãe  Que é minha fotógrafa, assistente, criado de ideias e incentivadora do blog.
@Okay_Lukas | @Iggabreu | @Mavifaria 
6. Estamos cheios de gambiarras.
Isso acabou se tornando uma característica minha e do blog. Já contei algumas vezes sobre pessoas que me conhecem como menino das gambiarras e sério, isso é super divertido.
Sempre que começamos a acompanhar uma pessoa desde o inicio, ouvimos histórias de como começar, dicas para iniciantes e tudo mais. Eles sempre contam que assim como todos, começaram de baixo, empilhando caixas e livros para usar de tripé, uma webcam de câmera e isso é real, eu já passei por isso. Mesmo agora, com um equipamento bem melhor do que eu tinha a quase três anos atrás, não abro mão das gambiarras. Elas podem ser simples, mas motivam e desenvolvem a criatividade, trabalham o pensamento de que seu equipamento não é a parte mais importante, isso é incrível.
Enfim, espero que tenham gostado de saber como o conteúdo do blog é feito. Não é nada de outro mundo, porém não vou mentir que não dá trabalho, pois realmente dá. Toda essa parte de fotografar e editar faz uma bagunça enorme, ainda mais quando é D.I.Y, mas eu amo muito tudo isso. Esse são os meu segredos haha, qualquer dúvida só deixar nos comentário.
Um abraço, até logo!  

quarta-feira, 22 de março de 2017

Uma Semana Comigo | Com a câmera nas mãos

Eu sempre arranjo algum tempo para fotografar, isso é fato.
Desde sempre tenho costume de fotografar as coisas, gosto de sempre me manter conectado a fotografia. Certa vez me disseram, que muitas pessoas passam uma grande parte da vida em busca de algo que as fizessem transparecer seus sentimentos, pois eu acredito que já me encontrei através da fotografia. Mesmo que algumas vezes eu tenha algum bloqueio criativo, nunca abandonei a fotografia.
E recentemente, eu tenho fotografado muitas coisas aleatória pelo meu dia-a-dia. A experiência de estar estudando em outra cidade e poder conhecer pessoas novas, de certeza forma vem me ajudando muito. Então, vim compartilhar um pouco da minha semana com vocês.
Vou confessar que estou amando explorar novos lugares, principalmente quando eles se relacionam com comida.
A primeira coisa que eu não podia deixar ~em hipótese alguma~ de contar para vocês é sobre a Batata Show, as famosas batatas fritas no cone. Só para vocês entenderem melhor como eu achei o lugar. Toda quarta feira eu tenho contra turno na escola, uma aula extra no período da tarde, então eu já fico direto para almoçar voltar para escola. Então, nessas aventuras de procurar um lugar bacana para almoçar, acabei descobrindo a Batata Show e me apaixonei!
Eles possuem vários tamanhos de batata, desde a P até o MEGA. Você também pode acrescentar vários tipos de molho, como Cheddar, Creme Cheese ou Ketchup, o que deixa ainda melhor. Quem me segue lá na página sabe qual foi minha combinação, se você não sabe, entra aqui
E para fechar o dia com chave de ouro, nada melhor que um chocolate, melhor ainda se for da Cacau Show! Recentemente lançaram as mini barras de chocolate La Creme, com cinco variações diferentes de sabor: kids, crocantes, ao leite, meio amargo e chocolate branco, e advinhem quem é chocólatro assumido e já experimentou todos? Sim, eu mesmo! Por incrível que pareça, cada barrinha dessa da foto custa apenas 2,00, com exceção do La Creme Kids, que por ser o "original" da marca, custa 2,20. 
Mas no fim da semana, dei uma passadinha na Livraria Nobel junto com alguns amigos e sério, eu pirei! Eles havia recebido muitos livros novos, fiz questão de anotar o nome de T-O-D-O-S para poder procurar depois. 
Então, aproveitei e fiz uma pequena wishlist:
Se tem uma coisa que eu amo, é loja de presentes! Um dos meus lugares preferidos é Splendour Presentes, que também fica em Itajubá. Andando pelas ruas da cidade, resolvi dar uma passadinha para conferir as novidades.
Para quem não conhece, eles trabalham com produtos de várias marcas super conhecidas como Imaginarium, Kipling, Uatt e até Gorila Club. Ou seja, como não desejar tudo deles? haha 
Essa semana chegaram três livros ~simplesmente lindos~ aqui em casa, enviados pela Editora Autografia  Mostrei todos os detalhes lá no stories do instagram no dia que chegaram, mas quem perdeu não tem problema, ao decorrer da minha leitura eu vou compartilhando com vocês e logo em seguida vai ter resenha de cada um deles aqui no blog. Os livros são, 
Vermelho - Juck Olegário | (DES) Amor - Pedro Pennycook | História de Viagem - Rafael Magro
Ainda sobre o universo literário, semana passada eu publiquei aqui no blog a resenha do livro Insanity Memória, escrito pelo autor Pedro Maciel. Um livro muito envolvendo e super interessante que vale muito a pena ler, confiram a resenha. 
Só para finalizar, gostaria de compartilhar algo com vocês. Eu e a Mavi somos apaixonados por fotografia lifestyle.
Fotografia Lifestyle é aquele tipo de fotografia feito em casa, de maquiagem e muita preparação. Feita com o intuito de realçar a beleza natural da pessoa 
E recentemente encontramos esse link, com uma sessão de fotos feitas pela Kim Kardashian. Então, após uma conversar decidimos nos inspirar nas fotos feitas por ela e fotografar ao nosso estilo. As fotos ainda não foram editadas, apenas essa acima, mas assim que ficarem prontas eu irei compartilhar o resultado final com vocês.

Enfim, espero que tenham gostado de saber um pouco mais sobre a minha semana. Vou ficar alguns dias off para poder, finalmente, encerrar minha quinzena de provas. FELICIDADE DEFINE! HAHA  Mas eu volto logo.
Um abraço, até logo!  

sábado, 18 de março de 2017

Resenha: Insanity Memória - Pedro Maciel

Eu já falei algumas vezes o quanto eu amo descobrir novos autores brasileiros e me aventuras em novas histórias. E recentemente a Editora Autografia, querida parceira do blog, me enviou um exemplar do livro Insanity Memória escrito pelo autor Pedro Maciel.
O livro é uma grande aposta da literatura distópica nacional, recheado se surpresas e mistérios. Publicado em dezembro de 2016, a obra nos trás tramas envolventes, expectativas e partes que dão um friozinho na barriga. Um livro daqueles que você só sossega após terminar de ler o último capítulo. 
Ficha do Livro:
Título: Insanity Memória | Autor: Pedro Maciel | Páginas: 184 | Capítulos: 23 | Gênero: Ficção
| Livro cedido em parceria com a Editora Autografia |
Sinopse:
"Insanity Memória nos conta a história de Bluye, uma jovem que acorda sem memória na cidade de São Paulo, devastada, insana e tomada por uma realidade distópica. A garota precisa correr dos perigos que a cercam e, ao mesmo tempo, lutar contra eles para sua própria sobrevivência. Mas o pior dos seus problemas era ainda mais complicado: A garota não lembrava de nada sobre suas origens. Em sua jornada repleta de ação, Bluye recebe ajuda de um menino que afirma ser seu noivo, o mesmo a ajuda a fugir do laboratório no qual estão presos. Ele também não tem respostas sobre o que está acontecendo e perdeu suas lembranças, mas juntos os jovens tentam sobreviver aos riscos que estão sujeitos no decorrer dessa aventura. Uma história de tirar o fôlego, intrigante e ao mesmo tempo arrebatadora, no mesmo estilo do best-seller Maze Runner: Correr ou Morrer. Com uma linguagem direta e um contexto contemporâneo, Insanity proporciona um leitura empolgante que fala sobre destino, descobertas e mistérios."
Resenha:
De início nos deparamos com Bluye, uma jovem que acorda e um laboratório sem saber se quer, qual é o seu nome. Através de uma invasão e distração dos seguranças, ela consegue fugir e se encontra com Henry, que aparentemente conhece Bluye mas ela como não se lembra, fica desconfiada do garoto, mas mesmo assim ambos se juntam para fugir daquele lugar.
Ao saírem do laboratório se deparam com o caos, o mundo que um dia já conheceram, mas que não se lembravam, estava devastado e em situação de calamidade. Um vírus havia contaminado a maior parte das pessoas que sobreviveram e os poucos que restaram, formavam milícias que aumentavam sua chance de sobrevivência. O livro nos mostra um pouco sobre cada personagem, assim, conseguimos acompanhar seu crescimento ao decorrer do enredo, como vemos em Bluye. Uma garota frágil que chorava encostada na parede, se torna uma mulher destemida e corajosa.
Em busca por abrigo após a fuga do laboratório a garota encontra Ana Salmão, líder de um grupo de fugitivos, que a acolhe e dá todo o suporte necessário. Eles estão saem em busca de respostas, porque estão ali? de onde vieram? Além da dúvida e preocupações, o grupo depara-se com um grande obstáculo, acabar com os S.N.A.C.S grandes responsáveis pela situação que se encontram.
Comentários e Diagramação
O livro me lembrou muito a distopia Maze Runner de James Dashner e deixou um pouco a desejar na criatividade, pois ambos contam a história de um grupo de pessoas que fogem de um laboratório, descobrem que o mundo entrou em colapso e ninguém parece ser amigo. 
Mas o autor tem uma escrita objetiva e gostosa, que em nenhum momento causa confusão ou dúvida. O livro se encerra com um clima de mistério de uma possível continuação, na qual ainda não sabemos pois não a confirmação, porém estamos na torcida. É uma história envolvente, detalhada e que explora bastante da nossa imaginação, deixando a mostra os dois lados, bom e mal, de cada personagem.
A diagramação do livro é bem agradável, respeitando os limites laterais e superiores, sendo simétrica. Com o nome do autor na parte superior e a página na parte inferior centralizados, ilustrações em preto e branco dispostas em três partes do livro.
Sobre o Livro e Autor
O livro foi impresso em papel pólen bold de 90 g, deixando a leitura mais prazerosa e sem causar dores nos olhos, pois o papel pólen reflete menos luz que o  tradicional papel branco. As folhas são áspera, facilitando ainda mais a leitura. Sua capa é envernizada, sem texturas e com orelha dupla. 
Pedro Maciel é paulista, cinéfilo, amante de fotografia e estudante de publicidade e propaganda. Seu gosto pela escrita começou na infância e se estende até os dias atuais, culminando na realização de um grande sonho: a publicação de seu primeiro livro! Insanity é sua estreia como escritor no universo literário, e se depender dele, este será apenas o começo. 
Nota
♥ ♥ ♥  
Vou dar 4 corações, pois achei que faltou um pouco de criatividade do autor na obra. Senti que teve muita relação com o livro Maze Runner, deixando o livro em segundo plano e sem muita originalidade. Mas mesmo assim, é uma ótima obra! 
Agora quero saber de vocês, gostaram da resenha? Curtem livros nesse estilo? Me conta aqui nos comentários.
Um abraço, até logo!  

terça-feira, 7 de março de 2017

Rotina, mudanças e a importância das coisas

O tempo passa muito rápido. 
Estive lembrando de coisas que me aconteceram a anos atrás, lembranças aleatórias que me vieram à cabeça. Vocês algum dia já pararam para pensar em como nós mudamos, ou melhor, nos transformamos com o passar dos anos? Não apenas nós, mas também a rotina que levamos e as pessoas ao nosso redor. 
É meio clichê dizer isso, mas nossos sonhos também mudam, ou apenas se transformam em objetivos.
Com dezesseis anos de idade, minha vida parece mais corrida que a de muito adulto. Praticamente se virou de cabeça para baixo agora que estou no ensino médio, rodeado de deveres e cobranças. A correria desses últimos dias me deixa chateado, triste por não conseguir manter minha antiga rotina e ter que me adaptar as novas condições, não que eu não goste de mudanças, afinal elas tem seu benefício.
Mas afinal, Crescer é inevitável. Com dez anos de idade tudo que queremos é completar dezoito anos e ter uma vida independente, mas quando chegamos perto de conquistar isso, queremos voltar a ter dez anos novamente. Esse definitivamente é o paradoxo da minha vida, velho demais para algumas coisas, novo demais para outras, como faz para entender tudo isso?
Uma das coisas que mais me assustam na atualidade é como parece que o tempo passa cada vez mais rápido, a cada dia temos menos tempo para fazer as coisas e acabamos deixando muitas delas de lado ou simplesmente não damos todo o amor que aquilo realmente merece, e o pior, são coisas que gostamos. 
Eu amo blogar, amo fazer parte da blogsfera. Mesmo com tanta saturação, excesso de informação e falta de dedicação de muitos blogueiros.
Inúmeras vezes me vejo lendo blogs menores, que estão começando do zero, com posts de receitas, resenhas e dicas sobre coisas para se fazer, mas feitos com carinho e não como uma obrigação. Sabe aquele tipo de conteúdo que só de você ler o título já fica com um sorriso enorme de bochecha a bochecha? Que bate aquela nostalgia, sobre como tudo um dia já foi diferente do que é hoje.
Por tais motivos, gostaria de dizer a vocês, não tenham medo das mudanças. Não tenha medo de errar, afinal, se você não errasse somo saberia que algo esta certo? Mas acima disso, viva sua vida por amor, não encare acordar cedo como uma obrigação ou opção, pois um único dia pode lhe trazer milhares de oportunidade.
Enfim, uma pequena reflexão que ficou na minha cabeça durante os dias, mas que eu queria compartilhar com vocês!
Um abraço, até logo!